27 março 2012

Abstração


Quando de manhã acordo de uma noite com horas contadas pro dia seguinte, fico pensando em muitas coisas que por vezes me angustiam. Caminho todo dia pra minha faculdade um pouco mais que 3km a pé. É engraçado  quando tem um percurso assim por fazer dia pós dia ( todos deveria ter no mínimo 2km diários!). Observo faces, expressões, comportamentos aleatórios e fico realmente em uma mar de questionamentos que fazem minha mente extravasar limites de possibilidades criativas - ah, já não é mais criatividade, tem ultrapassado esses limites.
Fico pensando o que leva as pessoas a passarem em suas vidas por algumas circunstâncias. Por que vejo sorrisos abertos ou rostos ansiosos ou desconfiados? Por que cada um carrega o que carrega e qual afinal a consequência de cada minuto que essas pessoas vivem?
Abstraindo um pouco minhas angústias, me permito sentir como se o próprio vento ou os pássaros estivessem me envolvendo. Sinto alívio quando penso em companhias, em companheiros assim!
Me dizem que sou sonhadora demais, que creio demais nas pessoas, sou muito otimista. Penso que não conseguem ver-me afinal. Declaro que acima de qualquer otimismo sou um ponto de interrogação. Constranjo-me diante de minhas curiosidades que me fazem ter peito dolorido as vezes por não ter soluções imediatas. Como então responder a pessoas que não questionam, não tentam entender mentes ou histórias de vida? Como explicar o que eu sinto por alguém se não busco raizes motivacionais àquela pessoa, ou se, simplesmente minha vaidade ou orgulho são suficientemente esbanjadores a ponto de não perceber o que eu passo pra quem está perto de mim, ou o que eu poderia fazer por alguém?
Tenho pensado muito na complexidade que envolve cada pessoa, cada história ou sentimento.
Crianças desnutridas, idosos invalidados pela sociedade, pessoas deprimidas, angustiadas, medrosas. O pior: medrosas em relação a opiniões.
Quando não se fere o limite do outro é bem possível compreender também nossos limites e fazer alguma coisa que amenize o que está ao nosso entorno ou tudo o que passa dentro de nós. 
Precisava falar. Tem um nó enorme dentro de mim hoje.

13 comentários:

  1. Me deu até um alívio de ler seu post, porque eu sou muito assim. Às vezes eu me questiono se não é carga demais pra minha mente, mas, poxa vida, você também é assim. Eu reflito muito também, em qualquer lugar. As pessoas, suas histórias, seus ideais. Será que são como eu? Será que questionam tanto quanto eu? "Como então responder a pessoas que não questionam, não tentam entender mentes ou histórias de vida?" Me identifiquei muito com esse trecho, com todo o post num geral. E sabe, sinta-se bem assim, como você é. Eu creio que seja algo valioso isso que temos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que é um talento mesmo o que temos. Mas acho também que é algo bem latente em cada um... só que aí vem uma questão de tempo; nós temos uma eternidade pra aprender isso tudo :)

      Excluir
  2. Olá, gabi! Obrigada por me visitar em meu blog! Seu comentário me deixou muito feliz. Fico mais feliz ainda em poder retribuir a visita e encontrar um cantinho tão especial como este! Seus textos são lindos e, ao passo em que avanço, vejo mais e mais delicadeza e sinceridade.

    É engraçado durante uma caminhada poder observar o rosto das pessoas pensando. O que será que estão pensando quando, pela normalidade da vida, cruzam-se apressadas nas ruas, cada qual levando no bolso sua própria história de vida, sonhos e problemas? E, num suspiro, tantas vidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh! Fiquei muito alegre com seu comentário também! Como posso te chamar? Quando disse da sinceridade muito me emocionou pois tanto sempre colocar o que sinto ou penso em minúcia.

      Sabe uma coisa que aprendi? A cumprimentar (oi, ou sorriso, ou qualquer coisa breve) sempre que cruzo o olhar com alguém... Parece aleatório mas tenho isso me deixa a impressão de que 'fiz um amigo' sabe? Parece ingênuo demais dizer isso mas se formos pensar que cada um tem uma história de vida imensa, cheia de angústias como nós, vontade de colo, de gritar -as vezes- fica menos abstrato. Me sinto mesmo um cover de Roberto Carlos nessas horas rs :D 'Eu quero ter um milhão de amigos'... Enfim! Me diverti escrevendo esse trecho final :)

      Excluir
    2. Me chamo Thalie :)

      Eu gostaria de fazer o mesmo, mas sou tão tímida que o que me permito fazer é olhar furtivamente como se meus olhos dissessem "olá" ou "bom dia" (às vezes um "bom dia" corajoso consegue sair com voz, mas bem baixinho). Vou me lembrar disso e tentar cumprimentar as pessoas, sem medo. xx

      Excluir
    3. Thalie! Foi bom conhecer você!

      Excluir
  3. Poxa Gabi.. essa sua angústia também é muito minha, sabe?
    É muito difícil se manter otimista diante de tanta coisa que a gente vê por aí, nos outros e em nós mesmos.
    Ás vezes bate realmente um desanimo e uma descrença, mas acredito que o segredo está em não desistir nunca.
    Para pessoas que refletem assim, a busca pela nossa utopia é fundamental..
    Creio que é com os pequenos passos que vamos chegando mais perto de onde queremos para nós e para os que estão à nossa volta.

    Acredito também que nosso papel é passar pela vida de forma menos sofrida. E tentar amenizar o sofrimento de outras pessoas também. Morrer, todos nós vamos. Mas, assim como vamos morrer, também vamos viver até lá. E se a vida puder ser vivida de forma leve e agradável, melhor.

    Quando leio ou escuto pessoas falarem como você, me sinto profundamente tocada, porque mexe demais com coisas em mim também. Mas, ao mesmo tempo, fico feliz. E tenho mais esperança de que estamos todos no caminho certo.
    E vamos errar várias vezes. Nem sempre nossas escolhas são as melhores. Nem sempre vamos agir de forma altruísta, vamos nos culpar várias vezes por N motivos, vamos ficar frustrados. Mas, acho que devemos seguir assim..

    :)

    Einstein disse uma vez:
    "Eu prefiro ser um otimista e estar errado, do que ser um pessimista e estar certo".
    E pra mim, faz muito sentido. ^^

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando disse que o segredo é não desistir nunca lembrei-me daquela frase bem re-soada já que diz que não devemos correr atrás das borboletas, mas plantar nosso jardim pra que elas venham (não sei as palavras certas mas é esse o sentido). E sabe? Não creio que seja utopia. Perdoem-me os governantes, ou céticos e narcisistas mas pra mim o caminho da humanidade é progredir sempre :)

      Deixa-me te perguntar uma coisa , Bia? Em que você crê? Sua fala é tão espiritualizada que muito me comoveu quando a li. Ficará como tesouro nessa postagem!

      Concordo com o Sr. Einstein, concordo com tudo o que disse. <3
      De coração,
      Obrigada!

      Excluir
  4. Também sou bem sonhadora, mas muitas vezes ao invés de observar os outros, me fecho na minha mente e imagino coisas, histórias, acontecimentos, o futuro etc. Também acho bom questionar, ao mesmo tempo que gosto de sonhar, tento manter o pé no chão.
    E se as pessoas dizem que você é otimista, acredito que você deve tentar ver o lado bom das coisas.. mesmo que com todas as dúvidas. =)
    bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem necessário mesmo discernir limites entre realidade e fantasia. Sonhos são esperança de crescimento e inspiração pro que a gente fizer hoje -creio eu- mas se não saímos do plano etéreo tentando concretizar nossa vida passa a ser abstração. Aí o fim do caminho é de frustração...

      Excluir
  5. Que lindo esta o novo layout do blog, Gabi, espero que essa paz e suavidade tenha invadido também os seus dias, se não, este é o meu desejo. <3
    Sobre o que comentou lá no blog, bem eu tenho certeza que seria grandes amigas se perto morássemos, pois mesmo longe já tenho grande consideração por você.

    Sobre o post, eu me vejo muito nele, me identifico com as suas palavras e portanto que essa face sua mostrada. É difícil mesmo ter plena noção desses limites entre nós e outros, o quanto afetamos e nos deixamos afetar. O quanto a dor a nossa volta nos atingi, e o que podemos fazer para cessá-la, apaziguá-la. Mas acho que o diferencial está aí, eu não deixar de tentar "ajudar", mover o meio, pois de alguma forma isso nos modifica também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "...de alguma forma isso nos modifica também" eu acredito isso com toda minha fé, Lu, muito mesmo <3
      Obrigada por ser tão doce sempre, isso muito me cativa, como a raposa ao principezinho <3

      Excluir
  6. Não sou muito observadora, sou um tanto anti-social até, mas acredito que todos nós devemos tratar bem um ao outro. É ser educado com aquela pessoa que lhe pede uma informação, é sorrir p/ aquela senhora que está na fila do médico, olhando carinhosamente p/ você; é pedir licença, é agradecer. Eu procuro ser sempre educada com as pessoas; procuro sorrir também. Não sei explicar bem, mas pessoas que não são gentis, que não sorriem, transmitem energias negativas. A gente às vezes não imagina como simples gestos de educação, carinho, podem fazer um bem danado a quem nem conhecemos direito. :)

    Beijo

    ResponderExcluir